Empreiteira retoma serviços na rua Elisabeth Jasper, no Fundo Canoas

Empreiteira retoma serviços na rua Elisabeth Jasper, no Fundo Canoas
0
20 quinta, 7 de dezembro de 2017

Com tubulação danificada e asfalto rachado, rua precisa de consertos. Melhorias não gerarão custo extra para a prefeitura

 

 

Um ano após problemas causados por erros de projeto e não estar plenamente concluída, a obra de pavimentação da rua Elisabeth Jasper no bairro Fundo Canoas em Rio do Sul finalmente receberá os ajustes adequados para que seja terminada. Rachaduras no asfalto, drenagem inadequada e problemas causados pela chuva devem ser consertados pela empreiteira Baltt que voltou a trabalhar no local nesta semana.

 

A missão não é simples, já que a inclinação em alguns trechos da via é bastante grande, exigindo um trabalho diferenciado principalmente para a drenagem. Mas a prefeitura de Rio do Sul não permitirá que a empreiteira deixe o serviço incompleto prejudicando a população local.

 

Após diversas negociações com a empresa responsável, prefeitura e a Caixa Econômica Federal, fonte financiadora dos recursos para a obra, foi combinado o retorno das obras. A drenagem será refeita dentro de um novo projeto, estipulando caixas de redução, que são bueiros maiores e com capacidade de “frear” a velocidade da água que escoa quando chove.

 

“É uma rua bastante inclinada e durante a chuva, a água desce com força, ocasionando problemas, deslocando tubos e carregando material de base. Como o projeto anterior não contemplava estas caixas de redução, este recurso será empregado para diminuir os problemas e aumentar a vida útil da tubulação e consequentemente, da pavimentação”, ressalta o secretário de Infraestrutura, Fábio Alexandrini.

 

Ainda não há prazo para conclusão da obra, mas sabe-se que o novo projeto contemplará toda a drenagem e a repavimentação dos trechos de asfalto onde houve rachaduras. “São vários trechos com problema e faltou sincronia e um projeto mais eficiente para a obra. Envolve ainda ligações de esgoto e de água, toda a adaptação das calçadas, de uma forma que não prejudique a qualidade da obra e gere problemas aos moradores”, lembra Alexandrini.

 

Este trabalho não vai gerar custos adicionais para a prefeitura. “A Caixa Econômica Federal, não paga por ruas mal feitas após a inspeção. Então a empresa precisa fazer as correções necessárias para que possa receber”, avisa o secretário.

 

 

 

Clóvis Eduardo Cuco

Departamento de Comunicação

Prefeitura de Rio do Sul